sexta-feira, 26 de novembro de 2010

de um cidadão anónimo(via regiôes)

(Carta de um cidadão anónimo)

Caro Nortenho


Com toda a certeza, do cimo do seu nariz e na sua arrogância provinciana de Nortenho que lhe é tão intrinsecamente carnal, deve dizer à boca cheia que é homem e mulher do norte com toda a pompa e circunstância.

Para tamanho ego, nada tão irónico como pertencer a tão pobre região. Eis alguns factos que não pode ignorar senhor nortenho:

- O Norte passou de região industrial e burguesa a região das maiores taxas de desemprego e de pobreza tão flagelante que se expressa já em fome em muitos locais e não fechemos os olhos.

- De sua Capital, Invicta cidade do Porto, estandarte orgulhoso, a região norte perde dia após dia influencia e poder na nação “portuguesinha”, sendo cada vez mais um satélite de Lisboa sem capacidade de decisão.

- No referendo à regionalização, a maioria do nortenho, aflito pela divisão da sua pátria votou não, ao que compreendemos que foi uma boa opção se olharmos a que naquela altura, o norte era dividido em várias regiões, mas uma péssima opção se olharmos ao facto que isso só ajudou à transferência de mais poder para Lisboa.

Aproveito para deixar aqui a pergunta: Estando agora o Norte todo unido sob uma única região, não seria de facto a altura correcta para exigir o estatuto de região autónoma? A Madeira e os Açores deram-se bem, muito bem aliás, se pensarmos que a Madeira é bem mais rica que o distrito do Porto, sim senhor nortenho, pode ser uma facada no seu orgulho preguiçoso e desinteressado.


- Enquanto nos ocupamos a trabalhar ou lá o que fazem, a fazer cânticos de como somos bons, regiões como o Alentejo, a Madeira, batem com a mão na mesa e exigem, fazem barulho e lá vão conseguindo o que querem. Serão os políticos deles melhores? Será o povo lá mais lutador? E então, o nortenho é o quê? Factos, são factos e o Norte esta cada vez mais pobre.

- O Distrito do Porto apresenta a 3ª maior taxa de crescimento populacional da Europa, sim, da Europa e mesmo assim nada se passa por esses lados…Estaremos condenados a ser mais um aglomerado populacional? Amadoras há muitas…

- Nas barbas dos tripeiros, que mais parecem burros ceguetas, Lisboa capta as maiores empresas, sendo as multinacionais sedeadas no norte prejudicadas intencionalmente pelo governo central para se mudarem para Lisboa…o que pretendem com isto? Fácil meus caros, uma região sem poder de decisão é uma região sem voz e mansinha, uma ovelha no rebanho e que todos sabemos facilita o trabalho a quem nos governa, um velho pastor chamado capital!

- Eventos de renome, como no caso da moda, da arte, do cinema, estão gradualmente a mudarem-se para Lisboa e no fundo não podemos condena-los uma vez que eles apenas tentam sobreviver e o governo central torna-lhes isso cada vez mais impossível, simplesmente pela sua posição 350km a norte de “nossa” capital!

- Vejamos em concreto o caso da SONAE, chefiada pelo Nortenho mais resistente da actualidade, um senhor de seu nome, Belmiro Pinto de Azevedo. Numa altura em que todas as multinacionais se mudam para Lisboa, ele resiste, mantendo o centro de comando da SONAE no Porto, mas por quanto tempo, sabendo que o que ele já resistiu faz dele um herói. Debaixo dos vossos narizes, vocês nem percebem que até no caso da OPA à PT, foi tudo dificultado pelo simples facto de esta cair em mãos nortenhas e mesmo correr o risco de vir a ser transferida para o Porto.

- Não sendo eu um apreciador de futebol, tenho de reconhecer que a imprensa, pelo menos a pesada, está toda a sul e isso deixa em maus lençóis qualquer um que levante a voz cá para cima, pois é de imediato abafado ao passo que é dado muito mais voz a quem nos fala da Capital. Não quero dizer com isto que não haja podridão das demais instituições desportivas mas a pergunta que deixo é: será só no Norte?

- O Porto foi sempre uma cidade Burguesa, de gente lutadora, diria mesmo que somos salvadores da Pátria em tempos de crise mas esquecidos em tempos de glória. Inúmeros Reis, presidentes, e até um ditador chamado Salazar passaram pelo poder deste jardinzinho e no fundo, o que fizeram eles? Acudiram ao choro de Lisboa, como se de uma criancinha mimada se tratasse, ficando o Norte e o Porto constantemente votados ao abandono e ao crescimento por si próprios. Se estamos assim sem eles, imaginem como estaríamos com uma ajuda igualitária. Para relembrar aos amantes de Salazar existentes no Norte, uma mensagem: vocês são burros e estúpidos ao quadrado, pois esse senhor só tinha olhos para a sua capital e para as suas colónias servindo todo o resto da nação como celeiro.

- De lembrar, a Galiza mesmo aqui a Norte mantém a sua palavra em como o seu território original vinha ate ao douro e vila nova de gaia, ou seja, em tempos idos, englobava todo o território do Norte português. Também de referir a paixão da Galiza por Portugal, sincera, um amor separado quase à nascença, uma historia cruel de afastamento mas não pensem caros portuguesinhos na vossa inocência quase ignorante que eles querem ser portugueses, tão pouco querem ser espanhóis é verdade, eles apenas querem a união do Norte de Portugal com a Galiza, mas não por sentimento de conquista mas sim por pura empatia.

- Talvez convenha relembrar a Lisboa que a maior ameaça a um casamento é tomar o parceiro como adquirido e parece-me conveniente relembrar que podemos ter alternativas a este casamento e quem sabe, com este ciúminho, não se apimenta a relação entre Norte e Sul.


Sem mais assunto e com uma réstiazinha de esperança em vocês


Cidadão anónimo

o meu novo cão adoptado

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

e queria ele ganhar a Champions

uma das melhores capas do rascord.

sou judeu desde pequeno.Oliveira

Nunca tinha ouvido falar deste clube.
.......
À são os campeões de Israel.
Ganhou ao campeão nacional.
AHAHAH

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Cinco Fotos Cinco Marrocos


E como eu gosto muito sempre de cinco fotos,
aqui é um "tablier" 5 estrelas marroquinos.

O rio corre tranquilo

Como se pode ver,ainda bem que a Asae não existe aqui.

Num mercado tradicional

Marrocos algures na aproximação ao Atlas